terça-feira, 14 de janeiro de 2020

“Don’t F**k with Cats: Uma Caçada Online" e o fenômeno da emergência.

A série documental de 3 episódios “Don’t F**k with Cats: Uma Caçada Online" disponível na NETFLIX narra as ações de um grupo de pessoas em busca de um homem que compartilhou imagens de si mesmo matando filhotes de gatos na Internet. Um material audiovisual muito interessante para quem estuda os potenciais das tecnologias de "redes distribuídas", sobretudo o processo de "emergência". Fenômeno que se dá na "formação de padrões complexos a partir de uma multiplicidade de interações simples", podendo ser observado nos enxames de animais, redes neurais, e também na internet. O conceito que foi desenvolvido por Steven Johnson em seu livro "Emergência: a vida integrada de formigas, cérebros, cidades e softwares" e que dialoga com reflexões de muitos outros autores tais como Antonio Negri ao falar de inteligência de enxame no livro "Multidão: guerra e democracia na era do império" e Byung-Chul Han no livro "No enxame". 
 Os dois primeiros autores citados aqui discutem como as redes descentralizadas ( ou mais precisamente falando "distribuídas") podem produzir resultados colaborativos que vão muito para além da "soma das partes" dos atores envolvidos.  Enquanto Johnson trata do fenômeno de maneira mais ampla, Negri investiga como o "isomorfismo" das redes está ligado ao novo sujeito revolucionário do capitalismo cognitivo a "multidão".  

“Don’t F**k with Cats: Uma Caçada Online" é um exemplo dramático de como a colaboração de diversas pessoas comuns por meio da rede da internet conseguiu identificar, rastrear e responsabilizar um criminoso transcendendo os aparatos institucionais de investigação e segurança que normalmente secundarizam os maus-tratos aos animais. A série também nos permite olhar a internet como um "pharmakon", já que também nos apresenta muitos usos negativos tecnologia tais como: fakes, trolls, haters, incels e a potencialização da ação de maníacos por meio das redes sociais .


Dentro das próprias redes sociais um forte debate está sendo feito sobre a "validade e pertinência" da série. Muitos estão defendendo que o doc tende a estimular a violência contra animais dentre pessoas com o objetivo de fama, enquanto outros argumentam que o tema de "maus-tratos aos animais" ao ser discutido também será mais enfrentado e que redes emergentes de defensores de animais tendem a aparecerem e se fortalecerem.

Para além de toda polêmica uma coisa é certa: o debate sobre o uso das tecnologias de rede e suas potencialidades é cada vez mais importante nos dias de hoje. E "Don’t F**k with Cats"!

sábado, 11 de janeiro de 2020

"Eu perdi meu corpo" uma animação da NETFLIX para fazer pensar: O que pode um corpo?

"Eu Perdi Meu Corpo" é uma boa pedida para quem está procurando algo para assistir no serviço de streaming da NETFLIX. A obra é um espetáculo estético e de maneira envolvente e intimista acaba por discutir muitos dos temas sociais e políticos mais importantes no nosso momento conjuntural. Por meio de um romance de "amor platônico" são abordadas as temáticas de "imigração", desigualdade social, Incel, flexibilização e precarização do trabalho. A produção ganhou teve destaque no Festival de Cannes e é inspirada no romance Happy Hand, escrito pelo autor Guillaume Laurant.

A "odisseia surreal" de uma mão decepada em busca de seu corpo impele ao espectadores pensar o problema da "dicotomia corpo-mente". Tema que já foi explorada por diversos autores da história da Filosofia como Platão, Espinosa e Nietzsche seja para afirmar ou para negar este "dualismo". Um material audiovisual excelente para iniciar debates sobre a divisão do trabalho intelectual e manual e a "oposição" entre razão e sensibilidade.

sexta-feira, 3 de janeiro de 2020

Para pensar 2013 de maneira mais profunda e reflexiva.



"O que resta de junho" é um documentário que visa problematizar as chamadas Jornadas de Junho e refletir sobre o seu significado e efeitos nos múltiplos segmentos sociais envolvidos, desdobrando a sua constituição como acontecimento a partir de entrevistas com alguns dos principais personagens das jornadas e pesquisadores sobre o tema, no Rio de Janeiro e em São Paulo, e das imagens que restaram dessas que foram as maiores manifestações políticas e sociais que o Brasil já viveu em sua história.

Um Filme de Carlos Leal, Diego Felipe,Vladimir Santafé
Direção Vladimir Santafé
Roteiro e  Entrevistas Carlos Leal
Pesquisa Carlos Leal, Diego Felipe, Rodrigo Bertame, Vladimir Santafé Direção de Fotografia Diego Felipe, Hugo Labanca
Trilha Musical Guizado Designer e Conceito Diego Felipe, Hugo Labanca Crédito e Cartelas Pablo Henrique Câmera Carlos Leal, Diego Felipe, Hugo Labanca, Vladimir Santafé
Assistente de Câmera Aline Fernandes, Zé Castillero Edição Diego Felipe, Hugo Labanca, Vladimir Santafé
Captura de Som Aline Fernandes, Rodrigo Bertamé, Thaiane Ferreira, Zé Castillero
Imagens Adicionais e Crédito Pablo Henrique Imagens Aéreas Doval Produções

Apoio Sindscope, Sindipetro-RJ, Subúrbio em Transe, Adufrj Apoiadores Pedro Henrique, Vando Juvenal, Rachel Nigro, Wallace da Silva Melo, Fernanda Rodrigues, Guilherme Pimentel, Mario Generosi Brauner, Daniel Caetano, Marcos José da Silva, Amauri Mendes Pereira, Bruno Gawryszewski Agradecimentos Gabriel Tiaraju, Suraia El-Kaddoum, Geovano Santos da Fonseca, Fernanda Cardoso, Thiago Laurino, Jorge César, Talys Gonçalves, Luis Cláudio Lima, Alexandre Palma, Lucas Ferreira Juliana Bubel, Paulo Pasin, Rebecca Muniz, Sammy Farah, Feijão, MTST, MPL-RJ, MPL-SP, Shirley Neres, Ronald Luiz, Luiz Eduardo Rodrigues Entrevistados Cristovão Duarte, Victor Quintiliano, Mayara Vivian, Ana Paula, Mauro Iasi, Paula Maíran, André Miguez, Giuseppe Cocco, Jorge Maia, Ulisses, Kim Ramos, Zé Guajajara, Ashaninka, Korubo, Camila Jourdan, Emerson Fonseca, Emanuel Cancela, Alexandre Samis, CélioViana, Moisés de Jesus João Vitor, Michel, Wiria Alcântara, Antônio Pedro, Cristiane Ribeiro, Aluana Guilarducci

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Grades Curriculares do Ensino Médio no Estado do Rio de Janeiro para 2020.

Neste dia 30 de Dezembro a SEEDUC publicou em diário oficia as matrizes curriculares das diversas "modalidades de ensino" da rede de educação do estado do Rio de Janeiro. No ensino regular foi mantido a carga horária de 2 tempos semanais para Filosofia e Sociologia nos 3 anos do ensino médio, no entanto em diversas outras modalidades ocorreu diminuição de carga horária das duas disciplinas. 
É importante apontar que estas matrizes foram publicadas pelo governo nos "45 minutos do segundo tempo" sem um debate aberto com os educadores, e também que a castração do currículo no que diz respeito as disciplinas Filosofia e Sociologia que se voltam para o desenvolvimento da criticidade trará prejuízo para a formação qualitativa dos estudantes do Rio de Janeiro.




Clique na aba "Mais informações" para acessar as demais grades do Ensino Médio.

domingo, 29 de dezembro de 2019

Os nerds estão pistola com a série The Witcher.

 
A recém série "The Witecher" da Netflix que é baseada nos livros do polonês Andrzej Sapkowski tem gerado polêmica na internet. Isso porque optou por um pluralismo étnico em seu elenco, reimaginando alguns personagens que anteriormente tinham ficado bem conhecidos pelo publico "nerd" por conta do sucesso de games inspirados na obra. O hater do publico masculino é direcionado sobretudo a mudança de etnia e de visual de algumas das personagens mulheres da trama. No game estas sempre eram brancas e apareciam em roupas extremamente sexualizadas, na série isso foi modificado.
É muito coerente prezar por adaptações que não resumam as mulheres a objetos hiper sexualizados e por elencos plurais etnicamente. Todo ódio destilado nas redes por homens frustrados é prova de mais um acerto da Netflix que já está produzindo mais temporadas da série The Witcher depois do estrondoso sucesso da primeira temporada.
Infelizmente temos aqui mais uma demonstração de como ridículo pode ser o machismo e o racismo, em caso bem interessante para nos fazer refletir sobre a temática.
Lembramos aqui um episódio similar envolvendo a linda atriz Scarlet Johansson e o Jornalista Rodrigo Constantino.