domingo, 7 de julho de 2019

Raul Seixas e a Filosofia de Heráclito: metamorfose ambulante.


Neste vídeo relacionamos a letra da música metamorfose ambulante de Raul Seixas com os pensamento do filósofo Heráclito. O primeiro vídeo de uma série que discutirá a relação das músicas do Raulzito com o pensamento

quarta-feira, 3 de julho de 2019

Detroit Become Human: Bioética e referências históricas.


Jogão de PS4 que se encontra para baixar de graça na PSN. Quem tiver a oportunidade jogue! Uma boa reflexão sobre bioética e muitas referências históricas. Confira no vídeo uma análise histórica e filosófica deste grande jogo.

sexta-feira, 14 de junho de 2019

Sobre a XI Jornada sobre Filosofia e Ensino na UERJ.

Nesta quinta dia 13 de junho aconteceu a XI jornada sobre filosofia e ensino com o tema "A era do sufocamento: que rumos esta tomando a Filosofia e que Filosofia queremos. Com a participação de Elena Pagi - UFJF, Valéria Wilker - UNIrio, Guilherme Guimarães - Unirio, e Dirego Felipe de S. Queiroz - IECD. O evento foi organizado pela SEAF.






quarta-feira, 12 de junho de 2019

Dicas para produção de Vídeos com celular.

Aqui vão algumas dicas para gravar vídeos para trabalhos satisfatoriamente utilizando o celular.

Filmagem.


Em relação a imagem:
1. Limpe a lente.
2. Ative o modo avião (para não receber chamadas e alertas durante a gravação).
3. Estabilize a imagem (com um tripé, algum tipo de apoio improvisado ou segurando o celular firme com as 2 mãos).
4. Filme na horizontal.
5. Use a luz a seu favor (grave em locais bem iluminados, prefira gravar ao dia aproveitando a luz natural, não grave na contra luz).

Em relação ao áudio.
1. Tente usar 2 celulares: um para gravar a imagem e outro para usar como microfone junto a pessoa que esta falando.
2. Se for usar um celular para gravar o som também usar um aplicativo para gravar o áudio. 
2. Se for utilizar apenas 1 celular grave com o celular que esta filmando a uma pequena distância de quem esta falando.
3. Grave em local fechado ou em locais abertos que não tenha barulho de rua e de multidão.



Edição.
Alguns editores gratuitos para PC que podem ser utilizados:
1. Avidemux
2.Windows Movie Maker
3. Lightworks
4. Shotcut
5. Wondershare Filmora

Alguns editores gratuitos para Celular que podem ser utilizados:
1.KineMaster
2.FilmoraGo
3.Adobe Premiere Clip
4. Viva vídeo

Dica para finalização.
Não esqueça de inserir uma cartela de entrada (uma abertura com o título do trabalho) e os créditos finais (nome e função de cada pessoa que participou da produção do vídeo). Grave vídeos de 3 a 10 minutos. Vídeos com menos de 3 minutos podem acabar sendo rasos e com mais de 10 minutos prolixo.

Envio.

Para facilitar o envio de trabalhos uma ótima opção é a plataforma do Wetransfer. Só acessar pelo site e transferir o arquivo para o email de quem vai receber.
Site para transferir o arquivo produzido de até (2GB) por email:

Algumas dicas em vídeo para gravar com o celular:






segunda-feira, 3 de junho de 2019

quarta-feira, 29 de maio de 2019

Quem foram aos Filósofos Pré-Socráticos?


Neste vídeo apresentamos estes importantes pensadores da antiguidade.

quarta-feira, 15 de maio de 2019

10 Games para bugar a sua cabeça.

Games são puro entretenimento? Passatempo descompromissado onde os jogadores aliviam suas mentes interagindo com joysticks?  Nem sempre isso é verdade! Muitas vezes os games tem como objetivo justamente trazer desconforto, nos colocar pra pensar. Vamos listar aqui 10 jogos que vão explodir sua cabeça.

Começamos nossa lista com 2 jogos de intensa carga emocional e histórias envolventes: What Remains of Edith Finch (jogo indie que está de graça para jogar na PSN) e Life is Strange (game fantástico que para além da história envolvente nos coloca para pensar sobre uma variedade de temas.


Gosta da temática de Distopias? Fica aqui a sugestão de 2 games que nos estimula a refletir sobre nossa relação com a natureza, com a tecnologia e nos mesmos.  Enslave e Horizon Zero Dawn


Abaixo mais 2 games indies que trazem boas reflexões sobre os temas da existência e vida. Everybody's Gone to the Rapture e Journey


Unravel e The Stanley Parable são jogos indies sensacionais. O primeiro discute o tema da memória e envelhecimento, enquanto o segundo e uma viagem surreal muito interessante.


Por fim temos Limbo e Inside, ótimos jogos de pegada psicodélica que permite aos jogadores pensar sobre uma variedade de temáticas em uma narrativa de interpretação aberta.


terça-feira, 14 de maio de 2019

Neste dia 15 de Maio, ajude a defender o ensino da filosofia.

Evento no facebook: https://web.facebook.com/events/855869544748174/

Filósofos na cultura Pop.

Quem disse que a Filosofia tem que ser chata e monótona?

Descartes em Mario Kart
Marx em Mad Max

Nietzche em The Need for Speed
Sócrates nas tirinhas do Sábado Qualquer

Marx em Assasins Creed Syndicate

Sócrates em Assasins Creed Odyssey

Filósofos no Simpsons

Pitagórico no Assasin Creed Odyssey
Maquiavel em Assasins Creed

segunda-feira, 13 de maio de 2019

A esquerda institucional na América Latina: uma autocrítica necessária.

Desde da faculdade estive envolvido com debates sobre a ascensão da esquerda partidária a governos na América latina e Caribe. O fato político que mais me chamou a atenção durante este período foi a resistência do governo do até então pouco conhecido Hugo Chavez a um golpe orquestrado pelo governo norte americano na Venezuela. Uma reviravolta política que na época me pareceu "vingar" o golpe "bem sucedido" de Pinochet contra Allende no Chile em 70. O fato foi amplificado pelo impactante documentário "A revolução não será televisionada", e abriu margem para a esquerda mundial ampliar os debates sobre a conjuntura política da América Latina. Durante todo início de 2000 tivemos outros acontecimentos marcantes, tal como a eleição de Lula no Brasil e do cocaleiro Evo Morales na Bolívia. Não eram apenas os militantes que encontravam-se otimistas frente ao "futuro progressista" advindo de uma crescente "onda política de esquerda" nas Américas. Diversos intelectuais de expressão não paravam de escrever sobre o "novo paradigma político" que estaria se consolidando, e que os mais otimistas vieram denominar "pós-neoliberalismo". Na esfera institucional pactos econômicos entrelaçavam cada vez mais os emergentes "governos de esquerda", se fortaleceu o Mercosul e se criou a ALBA (Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América). Como fundo político foi se estabelecendo em muitos países a ideia de integração por meio do Bolivarianismo, apresentado por Chávez como o "socialismo do século XXI". Uma concepção política que apontava para a integração dos países periféricos das Américas e a necessidade de autonomia frente as grandes potências, tendo como inspiração a luta de independência nas Américas promovida por Bolívar. No aspecto econômico, políticas desenvolvimentistas e de diminuição da pobreza foram promovidas, retirando uma grande massa da população da miséria.

No entanto, o entusiasmos inicial de muitos movimentos sociais e setores políticos da esquerda começou a se converter em desconfiança com o passar do tempo. O aspecto burocrático, populista e personalista destes governos que se firmaram como "esquerda institucional" foram passando de uma preocupação contingente a um "problema virtualmente incontornável". E o caráter de conciliação de classes de seus projetos políticos trouxe a tona contradições crescentes entre discursos "esquerdistas" e práticas "liberais". Por fim, crises econômicas e políticas acabaram por fragilizar "mortalmente" a maioria destas iniciativas abrindo espaço para uma maré de direita atingir a região . É um erro gigantesco considerar que os "governos de esquerda" na América Latina deste ciclo político recente tenham naufragado somente por conta do triunfo de ações advindas de interesses externos. Se hoje temos uma vitória do imperialismo americano no que diz respeito a redesenhar a geopolítica em nossos continentes, isso se deve também aos limites dos projetos políticos que foram postos em prática pela esquerda. Façamos aqui um paralelo histórico para tentar fortalecer esta ideia. Para entendermos de maneira satisfatória a queda do muro de Berlim no final dos anos 80, não basta tomarmos como causa única a ação de sabotagem promovida pelo bloco capitalista durante a guerra fria, é preciso tentar entender também o que deu de errado no projeto político da URSS. Caso contrário estaremos presos a um entendimento acrítico que nos empurrará para uma visão maniqueísta, reducionista e nostálgica de um regime que fracassou por conta de muitos fatores. Reflexão parecida temos que nos propor no que diz respeito a América Latina contemporânea.

Para garantir a governabilidade a esquerda institucional se fundamentou na conciliação de classes, tentando equilibrar os interesses das elites econômicas nacionais e internacionais a políticas de combate a pobreza. Ao se adequar a cultura política tradicional de seus países, esta acabou se submetendo ao "jogo sórdido" do poder constituído se envolvendo em um lamaçal de negociatas que iria lhe vulnerabilizar frente a retórica de "movimentos anticorrupção" organizados por setores conservadores. Não foi a toa que diversos escândalos políticos amplificados pelos meios de comunicação abalaram a confiança das massas no campo da esquerda nas Américas.
Por mais que a maioria dos partidos estivessem até o pescoço atolados na lama, o discurso que mais ganhou penetração foi o que associou a esquerda institucional a práticas políticas imorais. Isso porque neste momento de crise mundial da política representativa foi responsabilizado quem estava na "gerência" das instituições. A decepção advinda da timidez das políticas sociais destes governos, que não conseguiram reverter a desigualdade social gritante em seus países também enfraqueceu a esquerda institucional. Por fim o estourar de fortes crises econômicas "obrigou" estes governos a se alinharem a promoção de políticas anti populares, ampliando o mau estar generalizado entre a população.

Em 2009 Manuel Zelaia que foi eleito três anos antes pelo Partido Liberal para presidência de Honduras, mas guinou politicamente "esquerda" ao traçar alianças com a Venezuela de Chávez e outros países alinhados ao bloco da ALBA foi deposto por um "golpe jurídico parlamentar". O político foi acusado de "desobediência constitucional" por tentar promover uma constituinte no país. Processo de destituição promovido pela alta corte do judiciário e apoiada por militares, pelo parlamento e até mesmo por parte de seu próprio partido. Em 2012 o presidente Fernando Lugo, ex bispo da igreja católica eleito quatro anos antes pela APC (Alianza Patriótica para el Cambio) a presidência do Paraguai foi destituído por um processo de impeachment, depois de ter sido desgastado midiaticamente por conta de um suposto filho não reconhecido concebido na época que ainda exercia exercia o sacerdócio.
O ano de 2013 também não foi bom para o campo da esquerda institucional na região. Na Venezuela tencionada por disputas políticas Hugo Chávez veio a falecer, deixando o governo nas mãos do vice presidente Nicolás Maduro. No mesmo ano no Brasil, o governo do PT encabeçado pela presidente Dilma Rousseff eleita como sucessora política de Lula enfrentou gigantescas manifestações populares que pautavam o tema da mobilidade urbana e outras questões sociais. Um cenário de crise que foi superado por meio da redução das tarifas dos transportes e de muita repressão aos movimentos de rua.
Em 2015 na Argentina o candidato peronista Daniel Scioli, herdeiro do projeto político de Cristina Kirchner que governou o país junto ao seu marido Nestor Kirchener por 12 anos, perdeu a eleição para o empresário neoliberal Macri. Em 2016 depois de ter garantido a realização dos megaeventos da copa do mundo e olimpíadas por meio de intensa repressão e criminalização dos movimentos sociais, o governo de Dilma reeleito em 2014 foi interrompido por um processo de impeachment baseado em acusação de crimes de responsabilidade. Assumiu o governo o vice presidente Michel Temer. No caso argentino a falta de expressividade político de Daniel Scioli, e o desgaste político do peronismo envolto em diversas acusações de corrupção foram fatores de peso para a derrota eleitoral. No Brasil uma realidade econômica desfavorável fortaleceu o descontentamento de vários setores da elite econômica que embarcaram em um movimento de oposição baseados na retórica de anticorrupção. Frente a queda o partido dos trabalhadores não conseguiu apoio político expressivo no parlamento nem nas ruas para garantir governabilidade e resistir ao ataque jurídico parlamentar que o depôs da presidência.
Com as centrais sindicais aparelhadas e distante da maioria dos trabalhadores e um movimento social reticente por conta das ações de criminalização e repressão do governo a todas as manifestações que ocorreram durante os megaeventos, a reação das ruas a deposição de Dilma foi pífia. Hoje já percebemos algum desgaste no governo de Macri que não conseguiu corresponder ao otimismo do mercado diante sua eleição e arrastou o país para mais uma crise econômica. Por conta disso Kirchener ganha força em sua candidatura, mesmo ameaçada politicamente por setores do judiciário. No Brasil a perseguição política ao PT por conta de acusações de corrupção levou Lula para a cadeia, a propaganda midiática das grandes empresas de comunicação inflaram o antipetismo enquanto a extrema direita saltou por cima da direita tradicional também desgastada. A péssima estratégia do PT que empurrou a candidatura de Lula que sabidamente não ia ser viável e a pretensão deste partido de manter a hegemonia política dentro da esquerda a qualquer custo, fomentou ainda mais o antipetismo e garantiu a eleição do direitista extremista Bolsonaro. Uma tragédia anunciada, vide as pesquisas que apontavam que qualquer candidatura de uma sigla diferente do PT venceria o ex capitão do exército no segundo turno.
O caso da Venezuela é peculiar, em 2017 Maduro promoveu uma constituinte para enfraquecer a oposição que tinha ganhado o parlamento nas eleições legislativa dois anos antes. Em 2018 foi reeleito por um processo eleitoral questionado por seus opositores que já encontrava-se desarticulados pelos efeitos da constituinte. No entanto, não demorou para que a instabilidade política toma-se o país novamente. Hoje a Venezuela atravessa uma crise econômica que se acentuou quando Juan Guaidó presidente da Assembleia Nacional Venezuelana se autoproclamou presidente em exercício, alegando que reeleição de Maduro teria sido ilegal. Neste momento se intensificou a pressão norte americana contra o governo Venezuelano e ações políticas orquestradas por antichavistas para desestabilizar o governo. Apesar de diversas ações fracassadas da oposição, o clima de instabilidade persiste e Maduro continua a resistir escorado no apoio que recebe do exército e pelo suporte internacional dado pela Rússia de Putin. Desta forma, de um lado temos um governo cada vez mais autoritário e dependente do apoio russo e de outro golpistas a mercê dos interesses estadunidense. É evidente que este cenário trágico deve muito a interferência estadunidense na política interna da Venezuela. No entanto, as "ações do imperialismo americano" no país não são a causa única" do fracasso do projeto Chavista. A dependência da economia venezuelana do petróleo e a formação de uma burocracia estatal se encastelou no poder trouxeram problemas sociais que contradizem a retórica do socialismo do "século XXI", apresentado pelo projeto chavista como uma plataforma política de liberdade e combate radical a desigualdade social. A repressão política nunca se limitou aos setores "golpistas" alinhados ao imperialismo estadunidense. E cada vez mais a governabilidade acaba ficando atrelada a perseguição generalizada de qualquer movimento de crítica ao governo. Na Bolívia Evo Morales foi reeleito pela segunda vez em 2015 e seguirá o mandato até 2020, mesmo em um cenário econômico estável sofre com algum desgaste político frente a uma campanha contínua da oposição contra sua figura. Recentemente foi realizado no país um processo de eleições primárias, que teve como objetivo fortalecer a legitimidade de mais uma candidatura de Evo a cadeira de presidente. O ex-cocaleito foi eleito candidato de seu partido, mas o processo de primárias boicotado pela oposição foi marcado por imensa abstenção, mesmo dentro da coligação responsável pela sua candidatura. Vale citar aqui também o caso da Nicarágua, que atravessa um momento de conturbação social depois de intensos protestos contrários ao projeto de reforma da previdência promovido pelo governo de Daniel Ortega.

A América Latina hoje encontra-se numa situação realmente complicada. Incessantemente vemos desmoronar os projetos políticos associados a "esquerda partidária" que durante anos governou diversos países na região através de uma mescla de conciliação de classes e políticas sociais mínimas. Paralelamente a isso temos a emergência de governos direitistas que "empoderados" visam cumprir de forma radical e a qualquer custo a agenda neoliberal. É lógico que não podemos descartar o "fator Trump" neste rearranjo político da região, mas esta ascensão da direita conservadora nos Estados Unidos não é a única causa para o quadro político trágico que vivemos em nossos países. Se quisermos ser assertivos para além de mitificações românticas ou teorias conspiratórias precisamos repensar criticamente as ações do campo da esquerda latino americana, refletir sobre: personalismo, assistencialismo, populismo, burocratismo e os limites de projetos de conciliação de classe.
De imediato, parece não existir muitas possibilidades. Para alguns governos "de esquerda" que não caíram sobrou como única opção a tentativa de explorar a tensão econômica entre potências estrangeiras buscando apoio na China e na Rússia, enquanto promove um fechamento político autoritário. Em alguns países como o Brasil, vemos a total derrocada dos partidos de esquerda e seus governos, e um cenário onde os trabalhadores estão sendo jogados em uma "guerra de classes violenta". A quebra de direitos trabalhistas, processos de privatizações e restrição das liberdades avança rapidamente dentro da agenda dos governos direitistas. Restando para os movimentos sociais resistir com o pouco de vitalidade que tem frente a assombrosas maquinas de destruição. Contudo a médio e longo prazo sempre podemos mais. É fundamental aprender com os erros para poder caminhar, pois insistir em formulas desastrosas buscando reanimar projetos políticos moribundos só representará atraso. Não há resposta pronta para nos guiar em meio a este cenário desanimador. Contudo é certo que só os ideais de liberdade e igualdade radical podem nos orientar a novos horizontes.

Para saber mais:

Revolução não será televisionada.

O que resta de junho.

Safatle – Pós-eleições: construir a luta contra o autoritarismo

Primeiras observações sobre o desastre brasileiro


Ni con Maduro ni con Guaidó: Sindicatos exigen que se respete la independencia de sus luchas.

El ultrapopulismo madurista: todo barato o gratis, aunque ni sirve, ni hay.

Declaración de Marea Socialista sobre la situación y las tareas políticas del pueblo trabajador, tras la intentona de golpe proimperialista de Guaidó y López.

domingo, 5 de maio de 2019

Viagem cultural: Rio de Janeiro à Bolívia de ônibus.


Neste vídeo especial do nosso canal vamos apresentar uma forma econômica de visitar este país incrível. Cruzamos o país de ônibus passando por Santa Cruz de la Sierra, Sucre, Potosí, Uyuni, La Paz, Copacabana e Isla del Sol. Visitando desde o deserto de sal até o lago Titicaca. Bolívia um país de rica cultura e muita agitação política que vale muito aos brasileiros visitar.

terça-feira, 30 de abril de 2019

A Balbúrdia é do governo!

O governo Bolsonaro acusa algumas universidade brasileiras de promoverem "Balbúrdia" para justificar corte de verbas ao ensino superior. Engraçado que pesquisando sobre a origem etimológica desta palavra chegamos a dois entendimentos que parecem ilustrar bem o próprio governo.
Balbúrdia:
1) A palavra derivaria da palavra céltica balbord, que tem como significado a ideia de tumulto e desordem.
2) A palavra derivaria do latim balbus, que significaria "gago". Daí a ideia de dificuldade de comunicação e confusão.
O que ilustra melhor este governo de extrema direita do que a ideia de um aglomerado tumultuado de pessoas confusas e com muita dificuldade para se comunicarem?
Todo apoio as universidades como espaço de produção de conhecimento, e todo repúdio a qualquer tipo de censura e ataque a educação brasileira.

Alguns links sobre o tema.
https://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,universidades-acusadas-de-balburdia-tiveram-melhora-de-avaliacao-em-ranking-internacional,70002810148

http://deolhonoradio.com.br/acusada-de-balburdia-ufba-teve-melhora-de-avaliacao-em-ranking/

https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/04/30/O-perfil-das-3-universidades-atingidas-por-cortes-do-MEC

terça-feira, 9 de abril de 2019

O que é Mito?


Uma introdução ao conceito de Mito que visa desconstruir o significado distorcido do termo tal com oé colocado pelo senso comum.

domingo, 31 de março de 2019

Ditadura militar brasileiro em 3 vídeos. Repúdio sim, comemoração não.

Estamos postando aqui 3 vídeos sobre a ditadura militar brasileira iniciada por um golpe em 64. A ideia é trazer um debate histórico e realista para além dos devaneios anticientíficos dos conspiracionistas e autoridades de má fé que visam louvar um período tão triste e miserável de nossa história marcado por tortura, sequestros, censura e assassinatos institucionalizados.
(vídeos aconselhados para maiores de 16 anos).



sexta-feira, 29 de março de 2019

Mitologia: Alguns vídeos de "histórias" mitológicas para introduzir o tema.

Divulgando aqui alguns vídeos interessantes sobre Mitologia. É só dar play para conhecer mais um pouco de algumas narrativas míticas selecionadas como uma introdução ao tema.
Buscamos apontar vídeos que exemplifiquem o Mito "como uma forma de intuitiva entender a realidade, como narrativas sobrenaturais sobre a origem e natureza das coisas".











terça-feira, 19 de março de 2019

O fim dos consoles? "Stadia" o "Netflix" de games da google.

A google acabou de anunciar o seu "Netflix", o seu serviço de games por streaming chamado "Stadia". Plataforma que permitira que jogos de ultima geração sejam rodados em computadores caseiros e outros tipo de dispositivo por meio de emulação em nuvem. Uma tecnologia que provavelmente vai mudar toda indústria de games. Hoje para jogar os jogos de ultimas gerações as pessoas precisam possuir um pc poderoso ou um console de ponta, que são bem caros.
Tudo isso esta para mudar com o desenvolvimento do game por streaming uma tendência que avança também na Microsoft.
O serviço chegara ao USA e Europa em 2019/2020, será necessário ter banda larga de pelo menos 25 mb em alta resolução. O preço das assinaturas ainda não foi divulgado.

Será que a ideia vai realmente pegar? Até quanto estamos nos tornando reféns do processamento de computadores de grande empresas? Só o tempo dirá.

Para saber mais:
https://www.theenemy.com.br/tech/stadia-google-anuncia-sua-nova-plataforma-de-games 

https://www.youtube.com/watch?v=Mr2OOB6-7mo

segunda-feira, 18 de março de 2019

Momo, Baleia Azul e outros Hoax. As mentiras que podem se tornar perigo real.

O que existe em comum entre o atual viral dos perigos da Momo, o antigo boato do desafio da Baleia Azul e aquelas mensagens sobre o kit gay que foram distribuídos nas escolas? Todos são Hoax. Ou seja mensagens alarmistas com conteúdo falso distribuídos de diversas maneiras pela internet. Seja por e-mails, comunicadores instantâneos como o WhatsApp, sites ou pelas redes sociais tal como o Facebook. Existem muitas motivos por trás deste tipo de "campanha de desinformação": brincadeira, golpes e até manipulação política.

Em uma sociedade dominada pelos meios digitais, as pessoas ainda possuem muita dificuldade para lidar com a informação. Dificilmente existe a preocupação em buscar as fontes e problematizar as histórias que são difundidas na rede. O resultado muitas vezes é o pânico generalizado que sempre é um risco.

Para piorar os Hoax que viralizam acabam desencadeando um efeito para sua legitimação. Devido aos números de citações na rede os materiais relacionados aos boatos cada vez ficam mais disponíveis na internet, e muitas vezes o que não passava de relatos fictício começam a representar algum risco real. O caso do viral do desafio da baleia azul começou como uma história falsa viralizada, e por conta da escala de divulgação do boato veio a motivar pessoas a brincadeiras perigosas inspiradas na história.  Com o novo boato da Momo parece estar acontecendo fenômeno parecido. Um boato sobre "invasão" de hackers em vídeos do youtuber kids (o que é tecnicamente improvável) começa a render muito material produzido para render o boato, incluindo brincadeiras de vídeos editados postados nas redes sociais e canais na plataforma de vídeo.

Tenha controle do que as crianças acessam nas redes sociais, isso sempre é importante. Mas cuidado para não fazer coro a hoax. Sempre pesquise sobre as histórias que aparecem nas redes sociais, sempre questione!

sexta-feira, 15 de março de 2019

A Mitologia grega vai invadir a Netflix.

A Netflix esta para enfrentar uma grande guerra comercial dentro do mercado de streaming por conta dos investimentos pesados na área feito pela gigante comercial Amazon e a chegada do serviço de streaming da Disney. Para entrar nesta guerra a Netflix esta trazendo para suas "fileiras" diversas produções baseadas na mitologia grega.

imagem promocional de “Gods & Heroes".
Recentemente foi anunciado que a empresa está desenvolvendo um anime inspirado na mitologia helênica chamado “Gods & Heroes". A animação será produzida pela mesmo estúdio que realizou a série Castlevania, muito elogiada por fãs . 
Outras produções baseadas na mitologia já estão sendo aguardadas faz algum tempo, destacando-se
a releitura do Anime "Cavaleiro dos zodíacos" que foi febre nos anos 90 em nosso país e a série de Dark Comedy intitulada Kaos que será baseada na obra do escritor  Charlie Covell.

Imagem promocional da nova série dos Cavaleiros dos Zodíacos.
 Vale lembrar que o serviço de streaming já oferece algumas produções que se relacionam a mitologia, tais como o filme "Imortais" que faz uma releitura do mito de Teseu e uma série chamada "Troia: a queda de uma cidade" inspirada na celebre epopeia de Homero. Sem contar a versão 3d da animação dos cavaleiros



quarta-feira, 13 de março de 2019

Suzano. A culpa não é dos Games!

A culpa do atentando em Suzano ocorrido neste dia 13 de março é culpa dos games. O discurso conservador que se volta a demonizar a indústria de entretenimento pela ação criminosa de dois jovens atiradores aponta para uma estratégia retórica de desvio de foco. É sabido por
diversos estudos que jogos eletrônicos não são responsáveis diretos por estimular crimes e desvirtuar a juventude, quem tenta culpabilizar os games por atentados como o deste dia 13 fazem de má fé.

Não podemos nos deixar enganar por esta cortina de fumaça. Os assassinos da escola em SP faziam parte de grupos de ódio que se organizam clandestinamente pela internet. Inclusive planejaram a execução do crime com ajuda destes fóruns, tal como o atirador do colégio no Bairro de Realengo no RJ. Os "atiradores" foram identificados nas redes sociais como entusiastas do nazismo e da figura belicista do presidente Bolsonaro. Todos elementos apontam para um atentado ideológico de extrema direita, motivado por uma visão misógina de sociedade. Não é hora de fazer todo este esforço para criminalizar games, mas sim de discutir a cultura do ódio e do preconceito que encontra apoiadores até dentro dos governos e autoridades.

Alguns links interessantes: 
Somos violentos por causa dos jogos ou os jogos sao violentos por causa de nos? 

 Ainda sobre games e violência?

 Incel e massacres em escolas.

 Estudo de 10 anos de duracao comprova videogames não provocam violência.

Games violentos não estimulam comportamentos violentos aponta estudo.


O que as redes sociais dizem sobre um dos atiradores de suzano.


Atiradores de suzano cultuavam nazismo e pena de morte



Ainda para refletir sobre a "origem da filosofia".


No vídeo apresentamos a temática da filosofia africana de forma introdutória e sua problematizando da concepção tradicional apresentada pela história da filosofia que defende que a "disciplina" teria nascido na Grécia antiga.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Escola com Hino e palavra de ordem?

Decidimos fazer nossa versão do "escola com hino" no canal para responder ao pedido do atual ministro da educação, que solicitou as escolas a reprodução do hino nacional e do lema do atual governo. Lema que é apontado por muitos como inspirado em "palavra de ordem" nazistas.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Um bom vídeo sobre a filósofa Hipatia, muito interessante para este momento de obscurantismo no Brasil.


Para quem não conhece o canal "Conhecimentos da Humanidades", vale apena conhecer. Muito conteúdo interessante sobre mitologia e conhecimento em geral.

sábado, 16 de fevereiro de 2019

Mais uma morte no Mercado: a ética neoliberal que coloca o lucro a cima da vida.

Mais uma vez acompanhamos nos noticiários uma morte causada pela ação violenta de um segurança de uma grande empresa. Desta vez o caso aconteceu em um supermercado de um bairro nobre da cidade do Rio de Janeiro, um jovem negro foi asfixiado na frente de sua mãe até falecer. A repercussão do caso esta sendo grande, pois a agressão tornou-se pública por meio do registro de câmeras de celulares de pessoas que estavam presentes no supermercado e das imagens da câmera de segurança do próprio estabelecimento. Recentemente um caso muito parecido já tinha comovido pessoas por todo país, na ocasião um cão foi assassinado a golpes de barra de ferro por um segurança de uma outra rede de supermercado. Muitos outros casos similares foram registrados recentemente, como por exemplo o do menino que foi assassinado por um segurança em uma rede de fast food, e dos diversos casos de agressão a músicos por seguranças do metro-rio.

Todas estas agressões despertaram debates polarizados na sociedade, por mais absurdas que tenham sido. De um lado pessoas e movimentos sociais denunciaram a ilegalidade e imoralidade dos atos de violência, de outro pessoas e políticos disseminaram discursos para legitimar a ação dos agressores. Um debate político que se tornou efervescente dado ao clima de medo devido a insegurança nas grandes cidades e ao fortalecimento do poder político de setores conservadores no país. É notório que o medo das pessoas tem sido usado politicamente para legitimar diversas ações belicistas no que diz respeito ao controle social. Vide as políticas de segurança de muitos estados, que dão "carta branca" para a ação violenta das forças policiais no "combate a criminalidade" nas periferias.

Os debates envolvendo a ação violenta da segurança privada também são éticos, pois envolve uma "guerra" entre valores. Se recorrermos ao pensamento do filósofo argentino Enrique Dussel, conhecido pelo seu engajamento no desenvolvimento de uma filosofia latino americana, podemos identificar interessantes elementos dentro deste embate entre valores. Para o pensador a política neoliberal impregnou nossas sociedades de valores extremamente individualistas, a moral vigente se fundamentaria a partir do mercado. Para os ideólogos do livre mercado, se o mercado vai bem tudo vai bem. O lucro é entendido como "bem maior" e por isso colocado a cima de qualquer outro valor, mesmo o da vida.

Uma frase celebre do empresário Ray Krock (fundador do McDonald) ilustra bem "o vale tudo" moral em nome do lucro:
"O que se deve fazer quando um concorrente está se afogando? pegar uma mangueira e jogar água em sua boca".
Por mais cruel e desconfortável que esta afirmação possa parecer, para o pensamento moral dominante ela tem sentido. O lucro é o bem maior, assim como a propriedade privada. Para a "ética neoliberal" pouco importa as ações catastróficas de uma empresa responsável por desastres ambientais de proporções bíblicas. Se esta empresa gera lucros ela é mais importante do que as cidades que destruiu e que todas as vidas que veio ceifar. Não é incoerente que políticos poderosos tenham se colocado contra a responsabilização da Vale, para estes a empresa tem de ser defendida a "unhas e dentes" porque gera lucro. Se o lucro e a propriedade são os valores fundamentais, seria legitimo a ação do segurança da rede de fast food Habib’s, já que a criança assassinada no episódio estaria "perturbando" os consumidores do local. E o cão assassinado no Carrefour ? Para a mesma lógica os animais sempre foram entendidos como produto, seu sofrimento pouco importa. Vide toda violência contra a vida animal realizada pelas indústrias da carne e de cosméticos. E o jovem morto por um "mata leão' no supermercado? Muitos vão defender a ação do segurança utilizando-se de informações falsas viralizadas por meio de fakenews, distorcendo o acontecimento por meio de retóricas tortas e etc. A sociedade fundamentada nos valores neoliberais precisa defender o assassino deste jovem. A ação covarde deste segurança é fundamentada numa política de "carta branca" que esta mesma sociedade concedeu as defensores da ordem e da propriedade privada.

Para alimentar a política de medo este assassinato tem que ser legitimado, para propagar a ética neoliberal  este assassinato tem que ser legitimado, para manter a cruzada conservadora do cidadão de bem contra o mal este assassinato tem que ser legitimado. No entanto, todos estes casos também demonstram que precisamos de "outra sociedade". Precisamos transcender o medo em direção a uma nova política e buscar uma reorientação ética. O valor da vida não pode estar colocado a baixo do lucro e da propriedade. Cidades não podem ser destruídas pelas ações gananciosas de mineradoras, animais não devem ser reduzidos a produtos e serem submetidos a sofrimento extremo, seguranças e policiais não devem ter "carta branca" para tirar a vida das pessoas.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Motivos para estudar Filosofia no Ensino Médio.


É muito comum escutar "por aí" que é inútil estudar Filosofia na escola. Neste vídeo apresentamos 3 motivos para estudar filosofia no ensino médio.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

As mentiras da extrema direita brasileira.

Mais uma episódio das jogadas de manipulação realizada pela extrema direita nacional. 

domingo, 13 de janeiro de 2019

Roma: mais uma obra de romantização do trabalho doméstico.

Um tempo atrás fui ao cinema com uma amiga assistir um filme no "falecido" cinema Odeon no centro do Rio de Janeiro. Na plateia um público predominantemente formado por pessoas brancas de classe média, nada incomum no que diz respeito ao grosso da audiência de filmes mais alternativos na cidade. A obra em exibição era o documentário "Doméstica" de Gabriel Mascaro, muito elogiado pela crítica na época. Como filho de uma forte mulher que desde os 13 anos de idade fez deste tipo de trabalho seu sustento, me senti enojado com tudo que vi. Não faço aqui uma crítica as qualidades técnicas da obra, mas sim uma reflexão que se relaciona a ideologia por trás do documentário. Me enoja quando histórias são contadas de formas românticas para ocultar perversos processos de exploração e desigualdade. Na grande tela do Odeon acompanhei um compilado de histórias de trabalhadoras contadas do ponto de vista de seus patrões. Uma obra que no com certeza só veem a reforçar o discurso ideológico de que "a empregada é parte da família". Um "mito" terrível que serve para esconder a super exploração destas trabalhadoras.

O trabalho doméstico precário no Brasil é uma herança maldita do seu passado escravista, sendo as disputas em torno dos direitos destes trabalhadores uma tensão constante ao longo da história. Por todo mundo e especialmente na América Latina este tipo de trabalho é extremamente precarizado. Normalmente o trabalhador doméstico é do gênero feminino, pois a atividade esta atrelada a uma visão machista de divisão social e "cuidado do lar". Em sua maioria imigrantes, indígenas e outras mulheres fragilizadas socialmente, o que garante a maximização deste tipo de exploração.  É interessante notar, que mesmo os setores "progressistas" de nossa sociedade possuem "rabo preso" no que diz respeito a questão. Falar de liberdade e igualdade é sempre muito bonito, mas não é cômodo discutir algo que ameace a classe média e alta de ser obrigada a fazer sua própria comida e limpar sua própria sujeira.

O filme "Roma" é mais uma obra cinematográfica que apresenta a vida de uma empregada doméstica pelo olhar do patrão. Na película vemos uma jovem "perder toda sua vida" trabalhando como uma "mucama" satisfazendo os caprichos de uma família de classe média no México dos anos 70. Um retrato visual de um processo de exploração que tenta se justificar mais uma vez pelo argumento de "ela é parte da família ". Um filme tecnicamente belo, mas que ideologicamente é desserviço. No máximo serve para ilustrar como as elites produzem muitos materiais para tentarem disfarçar das formas mais requintadas as opressões que as sustentam.

O cineasta apresenta a exploração da doméstica em curtas cenas em paralelo ao sofrimento da patroa que como mulher parece"compartilhar um universo muito parecido como o de sua empregada". As duas mulheres são "abandonadas" por seus companheiros, ambas sofrem e se ajudam psicologicamente formando uma "grande família". A precarização e opressão a trabalhadora aparede, mas para de alguma forma ser conciliada pela história. O final do longa é o auge deste "conto mitológico"(atenção ao spoiler). A empregada perde o filho que estava esperando, não desejava. Uma cena triste, mas que revela a grande "moral" por de trás da trama. Ela não precisava de prole, pois já tinha a sua família: sua patroa e os filhos dela.

Muitos críticos vão defender que é um "conto" sobre a realidade da época, e que para ser realista nada mais natural que exista uma sintonia ideológica entre empregado e patrão. No entanto, podemos afirmar que dá para ser realista tratando a exploração de forma reflexiva. O Filme nacional "que horas ela volta" faz isso muito melhor.

Infelizmente a maioria das obras que discutem o tema do trabalho doméstico acabam sendo "a classe média falando pelas trabalhadoras de forma romântica". Materiais "difíceis de engolir" pra quem conhece a realidade e as sutilezas deste tipo de exploração.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Cub@: as implicações sociais da conexão tardia a internet.


O documentário Cub@, lançado em 2018 discute os efeitos da "conexão tardia" da ilha ao mundo da internet a partir de entrevista de ativistas e acadêmicos cubanos. O que podemos pensar sobre a relação da explosiva ilha cubana com esta potente tecnologia?

No final deste ano, mais precisamente no dia 6 de dezembro, foi ativado o serviço de dados móveis com tecnologia 3G em Cuba. A internet na ilha é totalmente controlada pela estatal Etcsa, e até então o acesso a rede só era possível em instituições governamentais, hotéis e nas praças de wifi (serviço inaugurado em 2015).

A ilha é local privilegiado para se estudar os efeitos da internet na sociedade por conta da sua "conexão tardia" que ressalta elementos importantes colocados por esta tecnologia de comunicação. O acesso a internet em Cuba chegou na década de 90 e permaneceu até recentemente limitado. O fundamento desta limitação sempre foi o controle político do Estado, que em um primeiro momento restringiu o acesso a instituições publicas e hotéis, para além de bloqueios a páginas e blogs considerados subversivos. Com a melhoria da relação do governo da ilha com o governo dos Estados Unidos ocorreu a abertura a banda larga em 2015. No entanto, o serviço inaugurado neste ano custa caro demais para a maioria dos Cubanos acessarem.  O mesmo também é limitado, pois só pode funcionar por meio de cartelas pré-pagas de acesso a ser utilizada por dispositivos moveis nos perímetros das praças centrais das cidades cubanas.

A internet que o Cubano a partir de agora vai poder acessar de qualquer lugar a partir do 3g não é a mesma que existia antes da hegemonia das redes sociais. A "conexão tardia" fez Cuba saltar um estagio de desenvolvimento da tecnologia. Hoje é notório que a internet cada vez mais adquire cunho mercadológico se focando em publicidade e em redes sociais de grandes empresas privadas. Nem sempre foi assim, pois em um momento inicial a tecnologia chegou a alimentar até mesmo utopias radicais sobre compartilhamento livre e sem limites de produtos e informação. A tecnologia de rede distribuídas inclusive possibilitou muitos processos políticos de revolta por todo globo: vide a "primavera árabe", Occupy e Jornadas de Junho.

É difícil imaginar quais os efeitos sociais da chegada da internet de forma mais ampla em Cuba. Politicamente a ilha hoje se espelha em muito no modelo Chinês, que desenvolveu suas maneiras de lidar com a internet. Existem também muitas tensões dentro do processo de abertura do país ao capital privado. Quem viver verá.

Para saber mais mais:
Um fantasma ronda o Brasil e o mundo o fantasma das Redes Sociais:
Nilton Bahlis dos Santos
Redes de Indignação e Esperança: Movimentos Sociais na Era da Internet
Manuel Castells 
Filme "O que Resta de Junho"
https://www.youtube.com/watch?v=gQvK9RzOPP8 

quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Eu sou Astrólogo! Vocês preciam acreditar em mim.



Quem diria que uma das estrofes da música "Al Capone" do roqueiro Raul Seixas se tornaria atual em um contexto extravagante em 2019. O Brasil de hoje não é a Rússia do Czar Nicolau II , mas com a eleição da extrema direita de Bolsonaro agora possui seu próprio Rasputin.

Assim como o governo czarista, o estado brasileiro adotou um místico conspiracionista como mentor intelectual. O autoproclamado filósofo Olavo de Carvalho se destaca como uma figura forte do atual governo, para além de inspirar a "ideologia" que fundamenta a família bolsonaro indicou até ministros.

Olavo de Carvalho não é filósofo, pois não é formado na área e nunca produziu nada relevante em termos de reflexão intelectual. Autoproclamação não é critério, pois mesmo se você declarar ser o super homem não vai se tornar invulnerável a balas. Ter muitos discípulos fanáticos também não é critério para validar discursos, vide Jim Jones. O Estado brasileiro está sendo orientado por um astrólogo de sanidade e moral questionáveis.

Nos restam as perguntas: onde isso tudo vai parar? O que vai acontecer com um país orientado por um astrólogo que nega a ciência e "vive na guerra fria"? Qual será o destino da família do "novo czar louco" e de seu "profeta"?

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

Alienação alimentar: filmes para refletir sobre a indústria da carne.


Neste episódio do programa pensamento radical listamos alguns filmes para pensar o tema da "alimentação alimentar" e a obscura realidade sobre a indústria da carne.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

CAM: para refletir sobre tecnologia e mercantilização do sexo e da vida.

O filme Cam da Netflix toca em um assunto muito interessante que é a relação entre sexo e tecnologia. Mais especificamente no tema virtualização do trabalho sexual por meio de plataformas digitais onde internautas assistem e interagem diretamente com camgirls por meio de pagamentos virtuais. O roteiro do filme (que parece ser inspirado no anime Perfet Blue) é interessante abordar este "universo" da "prostituição virtual". Hoje existe toda uma indústria de "prostituição virtual" que permite o contato de mulheres se exibirem e interagirem com clientes via câmera e internet.O tema rende um bom debate sobre transtornos psicológicos relacionados a cultura cibernética, mercantilização do sexo, do corpo e das relações sociais.
Antes de assistir,consulte a faixa etária indicada.

Textos interessantes afins ao assunto:
http://sociologiacienciaevida.com.br/a-mercantilizacao-do-prazer/
https://colunastortas.com.br/pornografia-e-prostituicao-quando-o-sexo-nao-e-emancipatorio/
https://colunastortas.com.br/pornografia-e-prostituicao-quando-o-sexo-nao-e-emancipatorio-pt-2/

quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

Bem vindo a 2019. Que a capacidade reflexiva sobreviva a todos ataques contra o saber que tendem a aumentar.


Duvidar a cima de tudo.

Para a Filosofia a capacidade de duvidar é essencial. Quase na virada do ano apareceu o vídeo "A facada no Mito" que mistura midialivrismo, teoria da conspiração e trapalhadas. Com certeza o caso do "atentado" contra o atual presidente durante o período eleitoral valeria uma investigação séria, talvez muita coisa seja revelada no futuro. Hoje no Brasil parece que o que está valendo é "se colar colou", pois dentro da disputa política que se resumiu a afetos "tudo pode colar". No entanto, sempre é bom exercitar o senso crítico e questionar tudo que chega até nos.