quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

"Life is Strange" um belo jogo que rompe com o padrão alienante e sexista da indústria de Games.

"Life is Strange" é um um jogo PC,PlayStation 4, PS3, Xbox One e Xbox 360 que coloca o jogador no controle de uma adolescente chamada Max. Ao longo de uma história adolescente trágica dividida em 5 capítulos a personagem tem de escolher entre diversas ações possíveis, e por meio delas definir o rumo de sua vida levando em consideração o resultado de suas ações sobe aqueles que lhe cercam.

Um ótimo jogo que trabalha o tema da liberdade para além do senso comum, relacionado a capacidade humana de julgar a responsabilidade que inevitavelmente é proveniente dela. Desta forma o game rompe com um padrão niilista comercial tão comum a indústria de games. Max não é um personagem poderoso que pode fazer tudo aquilo que quer sem sofrer consequências tal como protagonistas de muitos jogos de sucesso. O game obriga o jogador refletir sobre suas ações sem poder ignorar os valor ético, político e sociais presentes na trama ficcional. Em "Life is Strange" o "poder" é também responsabilidade e cada escolha do jogador o leva a desfechos diferentes, muitas vezes a resultados realmente trágicos. 

Contrariando sensacionalismo e superficialidade tão comum a indústria de games o jogo consegue discutir temas polêmicos e fortes de forma qualificada, trabalhando muito bem o mundo de transformação e descobertas da adolescência. Nele temas como sexo, drogas, estupro, opção sexual são inseridos de forma orgânica na história e lidar com eles é uma tarefa esclarecedora.

A cultura machista e sexista de protagonistas femininas semi nuas e hiper sexualizadas também é contrariada em Life is Strange. Max não se enquadrada nos esteriótipos da indústria de games: ela não é uma protagonista seminua e muito menos uma "mulher burra" que esta ali como coadjuvante apenas para ajudar (ou atrapalhar) o mocinho. Fato que não a torna menos encantadora, muito elo contrário! Na verdade a ideia batida de donzela em perigo pronta para ser salva pelo mocinho também é subvertida por meio de um enredo e romance complexo e rico. Assim como Max todos os personagens possuem profundidade psicológica e "existencial" temos como personagens: mauricinhos e patricinhas mimadas, jovens revoltados com problemas familiares, nerds com problema de interação social, vítimas de Bullying, alcoolátras, neuróticos vindo da guerra e até mesmo abusadores. Tudo isso em meio a uma "realidade" machista, preconceituosa e de diferença social.   

"Life is Strange" prova que existem alternativa inteligentes e educativas a cultura machista e niilista da indústria de Game contemporânea. 
Vale muito apena jogar este game que em jogabilidade e graficamente também é fascinante. 

Nenhum comentário: